A sexualidade feminina é um aspecto natural da vida e seu controle tem relação com o amor, carinho, hormônios e intimidade, sendo essencial para a construção de relacionamentos saudáveis em qualquer idade.1-6  

É comum que a palavra sexualidade seja associada às relações sexuais, mas esse não é exatamente o seu significado. A sexualidade feminina pode ser definida como a energia que conduz as relações pessoais e motiva a busca por amor, contato e intimidade. Pode-se dizer, portanto, que o controle da sexualidade influencia os campos afetivos em geral: profissional, das amizades, amorosos e das relações sexuais.2 

Diretamente relacionada ao jeito de ser de uma pessoa, a sexualidade começa a ser construída nos primeiros anos de vida. As interações estabelecidas de forma saudável na infância, envolvendo ambientes e familiares amorosos, assim como questões socioeconômicas, estão entre os fatores que contribuem para a saúde da sexualidade, tendo impacto, inclusive, na adolescência e vida adulta.2  

Quando negligenciamos ou tratamos a sexualidade como um tabu, especialmente, para as mulheres, contribuímos para uma construção negativa, que pode levar a um comportamento sexual de risco.2  

Como abordar a sexualidade feminina de forma saudável? 

Em combinação às vivências com a família, a escola é um dos locais onde as crianças e adolescentes se agrupam para trocar informações e experimentações.2,3  

Por isso, a educação sexual nas escolas é outra medida eficiente para reduzir o comportamento sexual de risco e proporcionar a construção de uma sexualidade saudável, com informações corretas.2,3 

Qual a relação entre sexualidade feminina saudável e empoderamento? 

Assim como a saúde física, mental e espiritual, a saúde sexual é essencial para o bem-estar da mulher. Ter confiança no campo da sexualidade é o que possibilita estabelecer relacionamentos saudáveis, desfrutar do prazer nas relações sexuais, planejar a gravidez e prevenir doenças (físicas e emocionais).1 

Para isso, conte com o aconselhamento ginecológico desde cedo. É importante viabilizar o acesso a informações seguras para adolescentes, reduzindo os riscos do uso de anticoncepcional sem prescrição, gravidez precoce e outras situações conflituosas envolvendo a saúde feminina.2 

Qual a relação entre sexualidade feminina saudável e métodos contraceptivos? 

Os métodos contraceptivos são usados para o controle da natalidade, sendo uma forma de evitar a gravidez. Ao iniciar a vida sexual, há uma série de opções de métodos disponíveis para a mulher. É importante ter conhecimento sobre cada uma das opções.4 

Essas alternativas são divididas em dois grupos: 

Métodos reversíveis: comportamentais, de barreira, dispositivos intrauterinos, contraceptivos hormonais e de emergência.6  

Métodos definitivos: esterilização cirúrgica feminina e masculina.6 

Ao se deparar com todos esses métodos, é normal que surja o questionamento “qual tipo de método eu escolho?”. O melhor método é aquele que proporciona segurança, eficácia e conforto, levando em conta a idade, histórico de saúde, objetivos reprodutivos, estado civil, número de parceiros (as), crenças religiosas, custo e muito mais.5 

Essa avaliação se torna muito mais simples se a mulher tem controle sobre a sua sexualidade, se tem uma autoestima equilibrada e acesso a todas as informações necessárias para uma análise completa.5 

Consulte seu ginecologista sobre qualquer dúvida e assuma o controle da sua sexualidade! 

Referências

1. Mayo Clinic. Sexual health basics. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/sexual-health/basics/sexual-health-basics/hlv-20049432>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 
2. Febrasgo. Sexualidade na adolescente. 2017. Série orientações e recomendações Febrasgo. Vol. 2. Nº 3. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/07-SEXUALIDADE_NA_ADOLESCENTE.pdf>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 
3. Febrasgo. Sexualidade na adolescência. Revista ELA. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/revistas/revistaela/item/931-ela-sexualidade-na-adolescencia>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 
4. Cleveland Clinic. Birth control options. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/articles/11427-birth-control-options>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 
5. Mayo Clinic. Birth control options: things to consider. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/birth-control/in-depth/birth-control-options/art-20045571>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 
6. Febrasgo. Manual de anticoncepção. 2015. Disponível em: <https://central3.to.gov.br/arquivo/494569/>. Acesso em: 17 de fev. de 2022. 

M-N/A-BR-03-22-0004 – APROVADO EM ABR/22 – DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL