Caracterizada pela presença de corrimento com mau cheiro e possíveis dores pélvicas, a tricomoníase pode ser evitada com o uso do preservativo masculino e feminino.1

A tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível. Nas mulheres, é considerada uma vulvovaginite, inflamação que afeta a vulva e a vagina, podendo causar uma série de incômodos no organismo feminino.1 

O período de incubação da tricomoníase, no qual os sintomas geralmente aparecem, costuma variar de 4 a 28 dias após o contato com o Trichomonas vaginalis, protozoário transmissor dessa infecção.2,3 

Estudos apontam que cerca de 70% das pessoas infectadas não apresentam nenhum sinal ou sintoma, podendo estar relacionado a fatores como a idade e o seu estado de saúde. Assim, tanto as mulheres como os homens podem não saber que estão infectando seus parceiros sexuais.4 

Alguns fatores de risco estão relacionados ao desenvolvimento da tricomoníase, entre eles:  

  • sexo sem camisinha; 
  • múltiplos parceiros sexuais; 
  • episódio anterior de tricomoníase; 
  • histórico de outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).2,4 

Quais são os sintomas da tricomoníase? 

Nas mulheres, a doença pode manifestar comichão, ardor, vermelhidão ou dor no órgão genital. Outros sintomas, como desconforto ao urinar e corrimento vaginal, também estão entre os sinais da tricomoníase.2,4  

O corrimento vaginal, geralmente com odor ruim, pode apresentar coloração variada – esbranquiçada, acinzentada, amarelada ou esverdeada.2,4  

Em gestantes, a tricomoníase pode aumentar o risco de parto prematuro. Além disso, bebês nascidos de mães infectadas têm maior probabilidade de nascimento abaixo do peso.2,4 

Ter tricomoníase dificulta e torna o sexo desagradável. Sem tratamento, a infecção pode durar meses ou até anos. Outro ponto é que a inflamação genital causada pela doença pode facilitar a contaminação por HIV.2,4  

Por isso, consulte o ginecologista caso perceba algum dos sintomas descritos acima, bem como o corrimento vaginal com odor fétido.2,4  

Qual o tratamento para a tricomoníase?  

A tricomoníase pode ser tratada com medicamentos prescritos pelo médico, administrados via oral. Esses remédios também são seguros para gestantes com manifestação da doença.4 

Mesmo após o fim do tratamento, é possível a reinfecção caso os parceiros sexuais não sejam tratados e os indivíduos não façam o uso de preservativos.4  

Para evitar a reinfecção, os parceiros sexuais devem ser tratados com antibióticos ao mesmo tempo. Outra recomendação, é que as relações sexuais sejam interrompidas até que todos tenham sido tratados e os sintomas tenham desaparecidos.4 

Após 3 meses, deve-se repetir o exame clínico para se certificar de que não houve reinfecção.4  

Se você tiver dúvidas sobre a tricomoníase ou qualquer outra IST, converse com um profissional de saúde. Aqui no Portal Mulher e Thal, você também encontra outras informações sobre saúde feminina. Mantenha-se informada! 

Referências

1. BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Tricomoníase. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist/tricomoniase. Acesso em: 21 dez. 2021. 
2. MAYO CLINIC. Trichomoniasis: overview. Overview. 2020. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/trichomoniasis/symptoms-causes/syc-20378609. Acesso em: 21 dez. 2021. 
3. NHS UK. Trichomoniasis. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/trichomoniasis/. Acesso em: 17 de mar. de 2022. 
4. CDC. Trichomoniasis. 2021. Disponível em: https://www.cdc.gov/std/trichomonas/stdfact-trichomoniasis.htm. Acesso em: 25 dez. 2021. 

M-N/A-BR-02-22-0015 – APROVADO EM ABR/22 – DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL