No Dia Internacional da Mulher, mesmo com os avanços no campo da saúde feminina, é preciso refletir Mesmo com avanços no campo da saúde feminina, as mulheres ainda fazem parte de altos índices de morbidade e mortalidade, muito relacionados à falta de informação e ações preventivas.1,2 

Em todo 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher, como forma de debater e melhorar as condições das mulheres sobre o próprio corpo e garantir o acesso a direitos básicos.1-7 

Temas relacionados ao controle da sexualidade, prazer feminino, maternidade, vida profissional e taxa de mortalidade vêm à tona, trazendo reflexões importantes sobre a nossa sociedade.1-7 

Entre os direitos reivindicados nessa data histórica, está a saúde feminina, que é essencial para preservar as vidas femininas e garantir o bem-estar de todas as mulheres. Nesse sentido, destacam-se diferentes frentes de ação: educativa, preventiva e combativa.3 

É a partir da educação e informação sobre o funcionamento do corpo feminino que as mulheres se empoderam e ganham controle sobre a autoestima. Esse processo facilita a tomada de decisões relacionadas à contracepção, sexualidade, relacionamentos e maternidade.4 

Devidamente informadas, as mulheres podem procurar por métodos e ações de prevenção eficientes, que se adequem melhor aos seus corpos e objetivos. Considerando que a educação e a prevenção estejam em dia, as ações combativas se tornam necessárias apenas em último caso.4 

Mulheres no contexto da saúde feminina 

De acordo com o último censo do IBGE, mais da metade da população brasileira é composta por mulheres (51,8%). As taxas de morbidade e mortalidade ainda não são ideais.1,2 

Doenças como câncer de mama, endometriose, infecção urinária, câncer no colo do útero, fibromialgia, depressão e obesidade ainda afetam o sexo feminino de forma preocupante.2 

Outra questão é a mortalidade materna, que vem reduzindo nos últimos anos, mas ainda é alta em comparação a outros países.2 

A gravidez adolescente, que está muito associada à falta de informação, educação sexual e ações preventivas, também é um ponto de atenção.2 

Vida moderna: equilíbrio entre carreira e família 

Com a modernidade, a mulher passou a dividir seu tempo entre família e vida profissional, com uma rotina cada vez mais ocupada. Estresse, ansiedade e sobrecarga são ocorrências comuns para as mulheres.5 

Por conta dessa dupla jornada feminina e da alta pressão, a saúde física e mental, bem como os exames periódicos preventivos, acabam ficando em segundo plano.5,6 

Nesse sentido, os homens parceiros podem contribuir compartilhando atividades do dia a dia, se informando sobre o corpo feminino e oferecendo suporte às ações preventivas.6 

Algumas dicas importantes para não esquecer do autocuidado: 

  • gerencie o estresse; 
  • identifique e respeite os limites do seu corpo; 
  • invista em atividades de lazer, boa alimentação e descanso
  • busque informações atualizadas sobre saúde feminina e prevenção, de forma aberta e natural.5 

Procure por ajuda profissional para encontrar informações seguras sobre o corpo feminino. Consulte seu ginecologista para realizar todos os exames preventivos e cuide da sua saúde em primeiro lugar. Viva as mulheres no controle de suas vidas! 

Referências

1. IBGE Educa. Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Disponível em: <https://educa.ibge.gov.br/jovens/materias-especiais/materias-especiais/20453-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das-mulheres-no-brasil.html>. Acesso em: 23 de mar. de 2022. 
2. Febrasgo. Hoje é o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. 2019. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/es/component/k2/item/806-hoje-e-o-dia-internacional-de-luta-pela-saude-da-mulher-e-o-dia-nacional-de-reducao-da-mortalidade-materna>. Acesso em: 23 de mar. de 2022. 
3. O Globo. Direito à saúde no dia internacional da mulher. Disponível em: <https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/especial-publicitario/unimed-sao-jose-dos-campos/noticia/2021/03/05/direito-a-saude-no-dia-internacional-da-mulher.ghtml>. Acesso em: 18 de fev. de 2022.  
4. Febrasgo. Gravidez em adolescentes. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/181-gravidez-em-adolescentes#:~:text=As%20principais%20causas%20da%20gravidez,anticoncep%C3%A7%C3%A3o%20utilizado%20nessa%20faixa%20et%C3%A1ria.>. Acesso em: 18 de fev. de 2022.  
5. International Women’s Day. Modern Living can mean busy living and our health suffer. Disponível em: <https://www.internationalwomensday.com/Missions/14382/Modern-living-can-mean-busy-living-and-does-our-health-suffer>. Acesso em: 18 de fev. de 2022.  
6. Instituto Nacional de Câncer. Dia Internacional da Mulher deve ser comemorado com mais atenção à saúde feminina, incentiva INCA. Disponível em: <https://www.inca.gov.br/noticias/dia-internacional-da-mulher-deve-ser-comemorado-com-mais-atencao-saude-feminina-incentiva>. Acesso em:  18 de fev. de 2022. 


M-N/A-BR-03-22-0005 – DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL – APROVADO EM ABR/22