Com os avanços da medicina, a gravidez após os 35 anos vem se tornando mais segura para mamães e bebês, com redução significativa de riscos.1-3

A gravidez após os 35 anos é uma condição cada vez mais comum, já que muitas mulheres optam por adiar a concepção em função da carreira profissional e outros projetos pessoais.1 

Do ponto de vista gestacional, o corpo feminino pode sofrer uma redução na quantidade e qualidade da produção de óvulos após os 30 anos. Esse processo pode afetar a fertilidade da mulher, dificultando a gestação.2 

Além disso, a gravidez nessa faixa de idade está mais associada a alguns riscos obstétricos: gestação múltipla, parto prematuro, diabetes gestacional, pressão alta, necessidade de cesárea, aborto espontâneo e anomalias cromossômicas.2 

Hoje, porém, os avanços da medicina possibilitam que as mulheres com mais de 35 anos planejem e tenham uma gestação segura, com menores riscos para a mãe e bebê.2-4  

Como reduzir os riscos da gravidez após os 35 anos? 

O primeiro passo para ter uma gravidez saudável após os 35 anos é consultar um obstetra e criar um plano pré-concepcional. É importante que a mulher prepare seu corpo para iniciar a jornada gestacional, de acordo com todas as necessidades identificadas junto ao médico.2 

A assistência pré-natal também é imprescindível. Ela possibilita que o médico acompanhe de perto todas as condições de saúde que são mais comuns na gestação tardia. 

A mulher ainda precisa investir no autocuidado, estabelecendo hábitos saudáveis de alimentação, questões emocionais e exercícios físicos.3 

A suplementação é outro ponto de atenção. As vitaminas pré-natais, como o ácido fólico, são fundamentais na prevenção de alguns defeitos congênitos. O cálcio, ferro e vitamina D são outros nutrientes essenciais.2,3 

O ganho de peso precisa ser mais controlado. Ganhar a quantidade adequada de peso reduz a probabilidade, risco de parto prematuro, diabetes gestacional e pressão alta.3 

Dependendo de cada caso, pode ser indicado realizar um teste pré-natal para anormalidades cromossômicas, a fim de rastrear certas doenças no bebê em desenvolvimento.2 

É importante destacar que nem toda mulher acima dos 35 anos vai apresentar dificuldade ou problemas relacionados à gestação.4 

Em contraposição aos riscos que a gravidez tardia pode apresentar, há diversos pontos positivos. Por exemplo, a mulher tende a se sentir mais madura e preparada emocionalmente para a maternidade com o avançar da idade.3 

Se concentre em aproveitar a gestação e realizar todos os procedimentos necessários para garantir a sua segurança e do bebê. A gestação tardia com controle de riscos é possível. Procure seu obstetra para tirar qualquer dúvida e fazer acompanhamento. 

Referências

1. CNN Brasil. Mulheres engravidam cada vez mais tarde no Brasil, diz IBGE. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/mulheres-engravidam-cada-vez-mais-tarde-no-brasil-diz-ibge/#:~:text=De%20acordo%20com%20um%20levantamento,caiu%2023%25%20no%20mesmo%20per%C3%ADodo. Acesso em: 06/04/2022. 
2. MAYO CLINIC. Pregnancy after 35: Healthy moms, healthy babies. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/getting-pregnant/in-depth/pregnancy/art-20045756. Acesso em: 24/02/2022. 
3. WebMD. Geriatric Pregnancy. Disponível em: https://www.webmd.com/baby/guide/pregnancy-after-35. Acesso em: 24/02/2022. 
4. National Women’s Health Network. What Is a “Geriatric Pregnancy?”. Disponível em: https://nwhn.org/what-is-a-geriatric-pregnancy-at-35-can-i-have-a-normal-pregnancy/. Acesso em: 24/02/2022. 

M-N/A-BR-03-22-0027 – APROVADO EM ABR/22 – DESTINADO AO PÚBLICO EM GERAL